quinta-feira, 26 de abril de 2012

A mulher que plantava margaridas


Havia uma mulher que adorava plantar. Ela tinha uma pequena horta, vasinhos com violetas e uma plantação de margaridas. Essa senhora-moça, pois não era tão velha para ser chamada de senhora, nem tampouco jovem a ponto de ser chamada de moça, tinha uma especial atração pela margaridas. Sempre, as margaridas, foram tema de conversas, de defesa de tese, da sua paixão. As margaridas eram flores simples, daquelas que quase todos desenham, muitas gente se diz simpatizante, mas, na hora de presentear e fazer um galanteio a alguém, elas, as margaridas, quase nunca eram lembradas.

Um dia qualquer, a senhora-moça foi atraída pelas orquídeas. Uma vizinha fazia coleção dessa planta, que pertencia a uma classe de maiores famílias do mundo floral. Elas eram exóticas, objeto de estudo, e a preferida entre as 10 plantas para se presentar. As orquídeas, elas sim tinham cores, tamanhos e formas variadas, ganhavam espaço privilegiado nas casas, eram fotografadas e postadas no Instagram; já as margaridas, quando citadas, só tinham a referência da beleza simples e ponto final.

Seduzida pelas orquídeas, a mulher resolveu se dedicar a elas, mas não abandonou as margaridas, só que essas, já não eram prioridade. Não passou muito tempo, as orquídeas, tão lindas e desejadas, se revelaram. Antes de ocupar um belo vaso, elas precisavam sugar os troncos das árvores para ter luz e os nutrientes para seu crescimento. Para se tornar aquela orquídea desejada, só se fosse cultivada in vitro , com técnicas avançadas. A florista ficou atônita, quando uma das orquídeas sugeriu que ela acabasse com a plantação de margaridas, pois elas precisavam de rochas, troncos e similares para se reproduzirem.

Nessa hora, as simples margaridas, que só precisavam ser bem regadas e as pétalas secas retiradas, cresceram majestosamente e se ofereceram para ser a última, mas a mais bela florada. A florista sorriu e percebeu que as orquídeas tramavam uma rebelião, o mais rápido que pode, a mulher pegou uma foice, mas depois largou a ferramenta. Houve uma hora de tensão entre as flores, enquanto a mulher falava pelo telefone. Não demorou muito, chegou um utilitário com dois homens simplórios. Com seus apetrechos, eles arrancaram as orquídeas e as levaram para uma exposição.

Para isso servem as aparentemente belas e mais disputadas, só para ver e ir embora. As simples, mas fiéis estarão sempre florindo seu jardim.

3 comentários:

  1. ‏ @karinacfonseca27 de abril de 2012 10:47

    Muito linda a msg RT @ronisevilela A mulher que plantava margaridas [comentem] http://migre.me/8QQ3Z

    ResponderExcluir
  2. Noooosssa...li o texto com entusiasmo até o final e o que me surpreendeu foi justamente a lição.
    Caramba, muito bom!

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Caras leitoras, foi um dia de rara inspiração!
    Obrigada pelos comentários!

    ResponderExcluir